Em média, são mais de 15.000 médicos que usam a técnica da Ozononioterapia na Europa.

A Alemanha é a responsável por mais de sete milhões de procedimentos anualmente, e além disso, os convênios médicos do país já fazem a cobertura da prática com o ozônio desde 1980.

A prática na Ucrânia, também já possui o aval do Ministério da Saúde, assim como na Rússia, que usa essa técnica em todos os hospitais do governo.

Um outro belo exemplo de reconhecimento do governo, é a Itália, capaz de trazer resultados muito positivos a toda população, e por lá, as taxas de recuperação de tratamentos como lombalgia, hérnias de disco, variam entre 60% e 95%. Isso evita que procedimentos cirúrgicos mais caros e complexos sejam realizados.

Na Espanha, os hospitais públicos estão praticando a técnica de modo gradativo, auxiliando pacientes com câncer.

O Centro de Investigaciones del Ozono, há um pouco mais de 20 anos, na capital cubana, tem feito uma série de estudos e publicações onde o método é testado e relatado nos Centros Médicos de Ozonioterapia cubanos.

Também podemos citar a Suíça, Grécia, Israel, Áustria, Austrália e Egito como países onde os procedimentos com o Ozônio de maneira Medicinal são reconhecidos pelos Sistemas de Saúde. Nos Estados Unidos já existe o reconhecimento em 13 estados.

No Brasil está aprovada pelos conselhos de classe: Odontologia, Medicina Veterinária, Enfermagem , Fisioterapia, Biomedicina, Farmácia e de Medicina de forma experimental.
O Brasil é o país onde se tem o maior número de profissionais de Medicina Veterinária que utilizam a ozonioterapia.

Os benefícios e alcance de todo tratamento realizado com a Ozonioterapia, evidenciam a real necessidade de tornar regular a técnica no Brasil, mas por enquanto, vários fatores impedem que isso avance.