Tratamento de Piscinas com Ozônio

 

APLICAÇÃO DO OZÔNIO EM PISCINAS

A contaminação da água de piscina é causada principalmente pelos usuários. Este tipo de contaminação é dinâmica, depende do número de usuários. A contaminação da piscina pode ser dividida por três grupos: por microorganismos, por substâncias solúveis e por substâncias insolúveis. Cada banhista carrega um grande número de microrganismos, tais como bactérias, fungos e vírus. Muitos destes microorganismos podem ser patogênicos e podem causar doenças. Os contaminantes insolúveis consistem principalmente de partículas visíveis, flutuando ou emsuspensão, tais como: os cabelos, os tecidos da pele e as partículas coloidais (tecidos da pele e sabão remanescente). Os contaminantes dissolvidos podem ser constituídos da urina, do suor e da saliva.

O suor, a urina, além disso, amônia, a creatinina e os aminoácidos, quando estão dissolvidos na água, não podem prejudicar os banhistas. Entretanto quando estes compostos reagem com o cloro na água da piscina, a oxidação incompleta pode causar a formação das cloraminas, que são irritantes nos olhos e no sistema respiratório. Estes contaminantes podem ser removidos por um tratamento adequado com aplicação de ozônio e sistemas de filtração.

Para evitar possíveis contaminações, com vírus ou bactérias na água tratada com ozônio, deve ser utilizado o cloro residual em baixas concentrações e pelo menos ter o um tempo de contato de 20 segundos.

 

Por que utilizar o Ozônio no lugar do Cloro?

O cloro é feito a partir de um processo químico, podendo causar alergias nas mucosas da pele e dos olhos. Isso acontece, pois quando o Cloro entra em contato com as impurezas da água são liberados Gases Cloraminas, e esses gases podem causar irritações em nossas vias aéreas.

Já o Ozônio é gerado a partir do Oxigênio, sendo assim um processo natural. O gás de ozônio é quase 100x mais eficaz quando o assunto é purificação e não causa nenhum mal-estar as pessoas.

É importante saber que, mesmo com a utilização do ozônio é orientada, por lei, a utilização de uma dose de Cloro Residual. Como a quantidade é pequena, não causa malefícios.

 

Como é gerado o Ozônio?

Nossos geradores captam o Oxigênio (O2) do ambiente e – através de uma descarga elétrica – “quebram” as partículas de O2 e em seguida as unem, gerando o Ozônio (O3).

Em contato com a água, o Ozônio faz a purificação da mesma e volta a se tornar Oxigênio (O2), dispersando-se no ar.

A purificação do Ozônio na água não precisa ser realizada de maneira ininterrupta, por isso os geradores são compostos de um “timer”, o que permite a escolha do tempo de funcionamento.

 

BENEFÍCIOS DO OZÔNIO NOS PROCESSOS DE TRATAMENTO D’ÁGUA

  • Redução da formação de THM (tendência mundial);
  • Incremento da biodegradabilidade da matéria orgânica;
  • Remoção do ferro e manganês dissolvidos ;
  • Oxidação de micro contaminantes orgânicos (fenóis, detergentes pesticidas);
  • Oxidação de cianetos, sulfitos e nitritos;
  • Efeito do ozônio na coagulação/ floculação;
  • Remoção da turbidez e sólidos em suspensão;
  • Remoção do carbono orgânico dissolvido;
  • Eliminação de microorganismos muito resistentes ao cloro e outros;
  • Mecanismo de ação mais rápido que o cloro e outros;
  • Diminui a pós cloração.

 

PROPRIEDADES DO OZÔNIO QUE GARANTEM O TRATAMENTO

  • Alto poder oxidante;
  • Alto poder germicida;
  • Eliminação de cor;
  • Eliminação de odores;
  • Degradação de fenóis;
  • Degradação de solventes;
  • Oxidação de cianetos, sulfitos e nitritos;
  • Redução da turbidez;
  • Degradação de lixiviados;
  • Oxidação de Metais dissolvidos;
  • Contribui na coagulação e floculação, diminuindo o uso de surfactantes;
  • Não produz subprodutos tóxicos;
  • Alta possibilidade de reuso;
  • É produzido no local, não requer transporte

 

 

   
 

Nossos produtos